Por que a felicidade é importante?

January 23, 2018

 

As pessoas reagem a esta questão de forma surpreendentemente diferente. Alguns sugerem que existem coisas muito mais significativas para se preocuparem; outros vêem a felicidade de tal maneira e tão importante, como também, algo que todo ser humano quer alcançar na vida. Para explorar este enigma, precisamos começar por olhar o que a felicidade realmente significa. 

 

A felicidade relaciona-se com a forma como nos sentimos, mas é mais do que apenas um humor passageiro. Somos seres emocionais e experimentamos diariamente uma grande variedade de sentimentos. As emoções negativas, como o medo e a raiva, ajudam a nos afastar do perigo ou a nos defender. E emoções positivas, como o gozo e a esperança, nos ajudam a nos conectar com os outros e a desenvolver a nossa capacidade de lidar quando as coisas derem errado.

Procurar viver uma vida feliz, não se trata de negar emoções negativas ou fingir se sentir alegre o tempo todo. Todos nós temos adversidades e é completamente natural sentirmos raiva, tristeza, frustração e outras emoções negativas. Sugerir o contrário seria negar parte da condição humana.

A felicidade significa poder aproveitar ao máximo os bons momentos, mas também lidar eficazmente com os maus momentos, a fim de experimentar a vida da melhor maneira possível. 

 

Uma pesquisa recente, realizada por economistas da Warwick University mostraram diferentes grupos de pessoas, que assistiram a filmes alegres e neutros, e em seguida, era solicitado-lhes que realizassem tarefas comuns no local de trabalho. As pessoas que estavam preparadas para se sentirem felizes foram 11% mais produtivas do que as demais.

 

Da mesma forma, pesquisadores da Wharton Business School descobriram que as empresas com funcionários felizes superam o mercado de ações ano a ano. Uma equipe da UCL descobriu que as pessoas que são felizes quando jovens, quando adultos são mais prósperas financeiramente. 

 

Nos cuidados com a saúde, foi constatado que os médicos que se sentiam felizes, fizeram diagnósticos mais rápidos e precisos, mesmo quando essa felicidade havia sido induzida simplesmente dando-lhes um pequeno presente de um doce. Na educação, as escolas que se concentram no bem-estar social e emocional das crianças, experimentam ganhos significativos nos resultados acadêmicos, bem como, melhorias no comportamento dos alunos. A felicidade também tem sido associada a uma melhor tomada de decisão e a uma melhor criatividade. 

 

Assim, em vez de ser a chave para a felicidade, a pesquisa mostra que a felicidade poderia ser a chave para o sucesso.

Mas, não só nos ajuda a funcionar melhor: a felicidade, também traz benefícios substanciais para a sociedade como um todo. Por exemplo, uma revisão de mais de 160 estudos encontrou "evidências claras e convincentes" de que as pessoas mais felizes têm melhor saúde geral e vivem mais do que pessoas menos felizes. Cerca de mais da metade tem probabilidade de não pegarem um reafriado e têm um risco 50% menor de experimentar um evento cardiovascular, como um ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral.

As pessoas mais felizes também são menos propensas a praticar comportamentos de risco, por exemplo, eles são mais propensos a usarem cintos de segurança e menos probabilidades de estarem envolvidos em acidentes rodoviários. As pessoas mais felizes são ainda mais financeiramente responsáveis, tendendo a economizar mais e a ter mais controle sobre suas despesas.

 

Mas, talvez o mais importante de tudo, as pessoas que são mais felizes são mais propensas a contribuirem positivamente com a sociedade. Em particular, eles são mais propensos a votar, fazerem trabalho voluntário e a participarem de atividades públicas. Eles têm também um maior respeito pela lei e a ordem e oferecem mais ajuda aos outros.


Há até evidências de que a felicidade é contagiosa, de modo que as pessoas mais felizes ajudem os outros a se tornarem felizes também. Um extenso estudo no British Medical Journal acompanhou pessoas com mais de 20 anos de idade e descobriu que sua felicidade afetou outras pessoas. Em outras palavras, quando estamos felizes impactamos significativamentes o humor das outras pessoas.

Quando se trata da felicidade da sociedade como um todo, no entanto, a triste verdade é que nas últimas décadas nos tornamos substancialmente mais ricos, mas não mais felizes. Os benefícios positivos de rendimentos mais elevados foram prejudicados pelo aumento da desigualdade e da queda dos níveis de confiança e coesão social. Chegamos também ao ponto em que a saúde mental é um dos nossos maiores desafios sociais, causando mais sofrimento na nossa sociedade do que o desemprego ou a pobreza.

  

É por isso que um número cada vez maior de políticas e líderes estão pedindo que medidas de progresso baseiem-se no bem-estar humano e na felicidade, e não apenas fatores econômicos como o crescimento do PIB. No Reino Unido, o governo introduziu um programa para medir o bem-estar nacional, e figuras influentes, incluindo o ex-secretário do gabinete, Gus O'Donnell, pediram que o bem-estar se torne a medida geral de prosperidade e o principal guia de políticas públicas. 

 

Esta mudança para priorizar a felicidade é importante porque isso também reflete o que a maioria das pessoas quer. Em uma pesquisa YouGov encomendada pela Action for Happiness, uma maioria (87%) de adultos britânicos disseram que prefeririam uma sociedade com a "maior felicidade geral e bem-estar", em vez de "maior riqueza geral" (8%).

Portanto, a felicidade importante e a evidência científica é convincente. A busca da felicidade não é um luxo da moda ou da classe média; trata-se de ajudar as pessoas a viverem vidas melhores e a criar uma sociedade mais produtiva, saudável e coesa. Como disse Aristóteles: "A felicidade é o significado e o propósito da vida, todo o objetivo e fim da existência humana". 

 

Claro, ser feliz não é uma cura mágica. As pessoas felizes ainda ficam doentes e sofrem por perderem pessoas queridas, e nem todas as pessoas felizes são eficientes, criativas ou generosas. Mas, entre outras coisas, a felicidade traz vantagens substanciais.

Talvez a visão mais poderosa de tudo, venha, não da pesquisa, mas, das respostas que foram ouvidas de centenas de pessoas ao perguntar o que eles queriam acima de tudo para seus filhos. Quase todos disseram coisas do tipo: "Eu realmente só quero que eles sejam felizes".

A felicidade é aquilo que queremos mais para as pessoas que mais amamos. É por isso que importa muito. 

 

Vamos ser felizes?

 

(Artigo adaptado do original publicado: www.theguardian.com/lifeandstyle/2014/nov/03/why-does-happiness-matter)

 

 

Abraços,
Lane Lucena
...................................................................
Psicanalista Clínica, pós-graduada em comportamento organizacional e gestão de pessoas. Especializações em psicopedagogia clínica e psicologia e saúde mental.


Coach de Vida e de Escrita e Facilitadora de Práticas de Atenção Plena. Criadora do "Curso e da Coleção de Cadernos Terapêuticos EscrevArte - A arte de escrever - que utiliza o recurso da escrita expressiva e intuitiva como ferramenta de autoconhecimento.  
 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Please reload

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now